31 dias em NYC: Um dia pelo Chelsea, o bairro alternativo de Nova York e pelo MeatPacking District

Por Fábio Almeida

Hoje, vamos compartilhar um pouco da nossa experiência pela região do Chelsea, bairro histórico e “alternativo” de Nova York, localizado ao sul de Hell’s Kitchen (que também merecerá um post específico), a Sudeste do Garment District (outro post), a oeste do District Flatiron e sudeste de West Village, além de uma rápida passagem pelo MeatPacking District.

Verdade seja dita: os turistas e viajantes de primeira viagem a Nova York raramente visitam o Chelsea, principalmente se o tempo de permanência na Big Apple for de apenas uma semana ou menos.
Eles simplesmente não sabem o que estão perdendo!!

 

Eis uma região para “degustar” com calma, sem preocupação com o tempo, momento ideal para ver as pessoas elegantes que por ali transitam, suas ruas tranquilas, os prédios residenciais chiques, os deliciosos cafés espalhados pelo bairro e as galerias de arte fora do circuito “modinha”.
Para ficar apenas nas principais atrações: possui o charmoso Chelsea Market e o High Line, o famoso jardim suspenso de Nova York.
O roteiro que vamos compartilhar é ideal para um dia inteiro, e tem início ao lado do Madison Square Park, um parque público muito bacana, localizado na esquina da 5ª Avenida entre a 23th St e 26th St, batizado em homenagem ao Presidente George Washington.
Madison Square Park
Madison Squarte Park

No interior desse parque, que possui área de lazer para crianças, jardins e trilhas para passeio, além de mesas para xadrez e piquenique, não deixe de admirar e fotografar tanto a fonte localizada em seu interior quanto o Arco de Washington, dois dos locais mais utilizados para reuniões e visitas, seja de novaiorquinos ou turistas.

 

Duas estátuas podemos destacar no parque, a do Presidente americano George Washington e a estátua do líder patriota italiano Giuseppe Garibaldi, importante personagem da unificação italiana.
Outra dica: aproveite sua visita ao Washington Park para conhecer e fotografar o Flatiron Building, um dos primeiros arranha-céus de Nova York, inaugurado em 1902 (5 Avenida esquina com a 23rd St), com 87 metros de altura e 22 andares, e que tem esse nome por ter a forma de um ferro de passar roupas.
Quando da sua inauguração, era um dos prédios mais altos do mundo.
Flatiron Building ao fundo
Chelsea – 5 Avenida esquina com 23 St – O início do passeio do dia

Era um dia de muito frio, e bem no início do nosso passeio, a neve se fez presente junto com uma chuva bem fina.

 

Após uma sessão intensa de fotos, começamos o nosso passeio pela famosa “Doughnut Plant“, localizada na 220 W 23rd St, uma lanchonete especializada em “donuts”, ótima opção para os apreciadores e viciados nessas iguarias, como nós, é uma boa oportunidade para “degustar” donuts fora do circuito “Dunkin Donuts”.
Com decoração a caráter, o grande diferencial do menu são as inovações tanto no sabor quanto das massas, coberturas e recheios dos donuts, lugar ideal para o café da manhã ou lanche da tarde. Nossa sugestão? Crème Brûlée… Fantástico!! E um dos mais procurados.
Encarando a câmera: Seria aquela famosa atriz??
Donut Crème Brûlée

Continuamos pela 23St, e eis que nos deparamos com uma exposição temporária sobre a famosa Banda de “punk rock” Ramones, com quadros, fotos, roupas e instrumentos utilizados pelo famoso grupo do Queens/NYC. Claro, “pit stop” obrigatório!!

Ainda pela 23St, entre a 7 e 8 Avenidas, temos o Bow Tie Chelsea Cinema, uma ótima oportunidade para os cinéfilos de plantão. Lá, você terá a oportunidade de escolher entre lançamentos do circuito comercial e alternativo.
Mais a frente, outra parada obrigatória: O histórico Chelsea Hotel. O(s) motivo(s)?
O hotel foi, ao longo dos anos, a casa de diversos artistas, atores, músicos, escritores, como Bob Dylan, Janis Joplin, Leonardo Cohen, Iggy Pop dentre outros. Nos dias atuais, os convidados transitórios podem ficar hospedados no máximo por 24 noites. Quer um exemplo? O mestre Arthur C. Clarke escreveu o famoso “2001: A Space Odyssey” quando estava hospedado no hotel. O Hotel encontra-se em reforma desde nossa visita, em janeiro/2015, com previsão de inauguração para 2016.
Ao continuar pela 8 Avenida, já na esquina com a 21St, você se encontrará diante de uma escola toda “grafitada”, sendo um dos desenhos, criação dos famosos irmãos brasileiros “d’Osgemeos (Otávio e Gustavo), cujos trabalhos estão presentes em diferentes cidades dos Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Grécia, Cuba, entre outros países. Geralmente os temas da dupla são focados em retratos da família à crítica política e social.

 

 

 

Na 8a Avenida, e prepare-se para outro momento gourmet: Murray’s Bagels. O proprietário do local é um ex-executivo da Merryl Lynch, que resolveu abrir sua própria loja de bagels para fazer um bagel idêntico àquele que seu pai (claro, de nome Murray), trazia toda quinta-feira para o jantar.
Nota: o cartaz no interior do estabelecimento: “WE DON’T TOAST”. É a jogada de marketing da franquia: se o bagel é fresco e de qualidade, não precisa ser tostado!!
Impossível discordar!!
Bem vizinho a este local, você verá vários Pet Shop, com artigos únicos para seu animal de estimação.
Já na 9 Avenida, próximo às 20St e 22St, outro momento calórico: Billy’s Bakery. Qual seria a razão de mais um “pit stop”?? Cupcakes mais deliciosos que a Magnolia Bakery (que fica ali bem perto), e menos cheio que a confeitaria que fez sucesso depois do seriado Sex and the City.
Agora uma pequena caminhada até a 18St, esquina com a 10 Avenida, e finalmente tivemos a oportunidade de conhecer a “High Line“, o famoso parque suspenso de Nova York, possuindo cerca de 2.300 metros, construído numa antiga linha de trem desativada (New York Central Railroad), anteriormente chamada de West Side Line, recebendo nos dias atuais cerca de 5 milhões de visitantes por ano.
Do alto do High Line, você tem uma vista privilegiada do Chelsea. O local da foto abaixo, é um local típico em que há uma placa pedindo para você tirar uma foto e compartilhar na internet, utilizando a hashtag local.
Obs: vale a pena assistir ao pôr do sol na High Line! 

Para a última parte do passeio, desça do High Line nas proximidades da Rua Gansevoort. Agora chegamos ao Meatpacking District, área que era ocupada décadas atrás por matadouros e fábricas de processamento de carnes, e hoje é referência por possuir inúmeras lojas de moda (só perde para as lojas da 5a Avenida), escritórios de arquitetura e sedes de empresas da indústria criativa, cujo principal representante é o Google.

 

Possui inclusive muitos restaurantes e intensa vida noturna, permanecendo, no entanto, com a arquitetura de seus primórdios. Vale lembrar que até 25 anos atrás, a região do Meatpacking era conhecido como antro de sexo e prostituição, e hoje temos uma invasão de butiques de luxo e restaurantes, cuja reserva deverá ser feita com dias de antecedência.
No Meatpacking, um boa para os applemaníacos: na esquina da 14St com 9 Avenida temos uma Apple Store bem maior e com melhor atendimento que aquela localizada na 5a Avenida.
Meatpacking District
Finalizamos nosso dia bastante produtivo, como uma visita um dos escritórios de uma das maiores empresas do mundo: GOOGLE!!
Localizado em frente ao Chelsea Market, estamos diante do terceiro maior prédio de Manhattan, ocupando um quarteirão inteiro.
Para uma happy hour de primeira, nada como o Chelsea Market (entre a 9th Avenue e 11th Avenue e entre 15th Street e 16 Street), um dos mais charmosos mercados de Nova York, reunindo uma seleção toda especial de lojas, restaurantes especializados em frutos do mar, frutas, legumes, carnes, vinhos, cervejas dentre outras guloseimas.
Você poderá escolher entre cerca de 35 opções de alimentação, desde um simples café, até pratos mais sofisticados, passando também por degustação de vinhos.
Nos andares superiores do prédio, existem algumas empresas ligadas ao sistema de mídia e televisão.

 

 

 

 

 

Aguardem pelos próximos posts da nossa experiência de permanecer por 31 dias em Nova York.

 

Fabiane Teixeira

Brasileira, Mineira de Belo Horizonte, 35 anos, conhece 38 países, é Advogada e Professora de Direito Civil, e nas horas vagas Viajante e Blogueira. Junto com meu Fábio vamos conhecer e te apresentar o mundo!

2 thoughts on “31 dias em NYC: Um dia pelo Chelsea, o bairro alternativo de Nova York e pelo MeatPacking District

  • 24 de outubro de 2016 em 00:38
    Permalink

    Fábio, parabéns pelo post! Na minha primeira ida a NY, nessa região fui somente ao Chelsea Market e a High Line. Adorei as dicas das comilanças na 23St ! Vou aproveitar pra próxima viagem! 🙂

    Resposta
    • 26 de outubro de 2016 em 15:37
      Permalink

      Com a viagem desta semana, ele está na correria e não entrou no blog, amiga!
      Mas repassei o comentário a ele!
      Come o Donut de Creme Brule! Delícia!!!!!!!!!!!
      Beijos,

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »