Conhecendo uma das estradas mais cênicas do mundo: a Highway 1, na California/EUA

 

Bixby Creek Bridge
A maioria dos leitores que vem aqui no Blog sabe o quanto nós amamos uma road trip, especialmente se a estrada for de perder o fôlego, como é a Highway 1, Hwy 1, localizada entre São Francisco e Los Angeles, na Califórnia. E quando decidimos fazer nossa road trip pela Costa Oeste dos Estados Unidos, a gente teve certeza de que seria uma excelente oportunidade para conhecer esta estrada tão falada bem como sua região.
E assim, fizemos este trajeto cometendo dois erros, cujos quais compartilhamos com vocês para não cometerem o mesmo. Afinal, compartilhamos nossas Viagens, e nossas Vivências, não é mesmo?

A Highway 1, ou Pacific Coast Highway, ou Route1, ou em alguns pontos Cabrillo Hwy, é uma das mais extensas estradas costeiras dos Estados Unidos, que segue rente ao Oceano Pacífico, e é considerada uma das mais bonitas do mundo. Ao todo, ela tem mais de 400 milhas, mas o trecho mais conhecido e bonito (na nossa opinião e na de muitos outros) é na região conhecida como Big Sur.
Pôr do Sol em Pfeiffer Beach, Big Sur
Mas antes de você escolher as datas, reservar qualquer hotel, ou confeccionar o roteiro, você precisa ter algumas informações básicas sobre a Highway:
Como dá para ver do mapa abaixo, a estrada se estende por um grande trecho da Costa Oeste dos Estados Unidos, e quase sempre seguindo a margem do Oceano Pacífico, em pouquíssimos trechos ela se afasta para se encontrar logo adiante.
– Quando ir?
Escolha conhecer a região entre o final da primavera, verão e começo do outono (de junho a outubro). No Hemisfério Norte, a partir do outono até o inverno, os dias são muito curtos. No inverno, o sol se põe por volta das 16h (4pm). Já no verão, o sol se põe bem mais tarde. Tem lugares que o sol se põe por volta das 21h (9pm).
Infelizmente, nossa viagem foi em meados de novembro (final de outono), e por isso, o sol se punha por volta das 16h/16:30h. E outro ponto negativo, era o vento frio. Até que durante o dia, e com sol, dava para suportar, mas depois que o sol se põe, fica difícil se manter fora do carro ou de ambientes fechados.
Viajar no outono e inverno tem o benefício das belíssimas paisagens! Mas tem que ter ciência de que os dias serão bem mais curtos, motivo pelo qual dá para aproveitar bem menos.
– Quanto tempo destinar à Highway 1?
Segundo ponto que erramos: como a Highway 1 é uma estrada, pensamos que seria mais que suficiente deixar um dia para este trajeto (em torno de 470 milhas). Assim, em torno de 12 horas de viagem a gente pararia nos principais pontos para curtir um pouco, tirar fotos… Erradíssimo!!!! Isso foi a maior loucura da nossa vida!

O nosso dia acabou às 16h, quando o sol se pôs. E dirigir naquela estrada, cheia de curva, com um penhasco a sua direita banhado pelo Pacífico, não tem qualquer graça! E confessamos que o final foi bem trash! De noite, curvas e mais curvas… quando saímos da Hwy1 foi um verdadeiro alívio. E não era para ser assim. Era para a gente ter curtido muito todo o trajeto. O começo e meio foram ótimos! Mas o fim….

Para não passar por isso, faça a Highway 1 em, pelo menos, 3 dias, colocando dois pontos para pernoitar (a menos que você queira curtir mais tempo a charmosa Carmel by the sea, ou Solvang.
– Como ir? 
O bacana desta viagem é realmente dirigir pela Highway 1. Então, alugar um carro pode ser uma das melhores opções! Dirija com os vidros abertos, curtindo uma playlist (na época que fomos, a música da Lorde – Royals estava bombando nas rádios! E ela foi nossa trilha sonora!) e sem preocupação alguma. Sua preocupação deve ser: você, o carro e a estrada!
Mas algumas empresas oferecem este tour, seja privado ou seja para mais pessoas em datas pré-determinadas. Nós indicamos a querida Mônica do Guia California, que faz além deste, outros passeios em Los Angeles, San Diego e São Francisco. Ela trabalha com receptivo para brasileiros na região há 27 anos e é muito requisitada (contato: [email protected] – Whatsapp: 1 626 8220027 – Instagram: @guiacalifornia).
Vimos muitas pessoas também fazendo o trajeto de bicicleta! Se alguém já tiver feito, conte para a gente nos comentários abaixo como foi a experiência!
– Qual a direção/sentido seguir?
O melhor sentido para seguir é de São Francisco para Los Angeles. A paisagem é a mesma! Mas neste sentido, fica mais fácil estacionar o veículo nos diversos mirantes espalhados pelo caminho. Estes mirantes estão quase todos à direita da pista, e mesmo que a gente conte aqui onde são os melhores pontos, estando à direita da pista fica mais fácil uma parada repentina!
– Quais os pontos escolher para pernoitar?
Escolher duas cidades para pernoitar neste percurso é suficiente. Tem gente que gosta de fazer três paradas. Seguem três sugestões de roteiros com pernoite em dois e um pontos:
Primeira Opção para explorar a região:
  • Dia 1: Saída de São Francisco com destino a Monterey para pernoite. Você pode pernoitar em Monterey (Veja as opções de hospedagens neste link) – 123 milhas (em torno de 2h30min);
  • Dia 2: Saída de Monterey com destino a São Luis Obispo para pernoite, passando pela 17 Mile Drives, Big Sur (Veja opções de hospedagens aqui) – 141 milhas (em torno de 2h16min);
  • Dia 3: Saída de São Luís Obispo com destino a Los Angeles, parando em Solvang, uma cidadezinha que lembra a Dinamarca em plena California (66.8 milhas, 1h5min).

Segunda Opção:

  • Dia 1: Saída de São Francisco com destino a Carmel by the Sea (veja opções de hospedagens neste link) – 126 milhas, 2h7min;
  • Dia 2: Saída de Carmel by the Sea com destino a Solvang (veja opções de hospedagens aqui), 210 milhas, 3h22min.
Terceira Opção:
  • Ficar hospedado na região de Big Sur, no Ventana Inn & SPA pode ser uma excelente ideia! Nós não ficamos hospedados neste hotel, mas as fotos são de babar, é típico de Lua de Mel, com preços mais salgados! Se alguém já ficou hospedado nele, conte para a gente nos comentários (156 milhas, 2h57min).
Foto Divulgação do Hotel no Booking.com
Nosso Roteiro de um dia pela Highway 1 (lembre-se que foi muito corrido e não vale a pena fazer isso que a gente fez!!!):
– Saímos bem cedo de São Francisco, e colocamos no GPS a cidade Pacifica (Pacif Coast Highway, Pacifica, CA), que dá mais ou menos 20,1 milhas de São Francisco. Se você colocar o endereço da cidade de Monterey, por exemplo, o GPS vai traçar a rota interna, e você não vai passar por grande parte da Hwy1. Fique atento!
– Como falamos anteriormente, a rota possui muitos mirantes! E sinceramente, a vontade era de parar em todos os mirantes! Nossa primeira parada foi em Montara State Beach (que fica ao lado de Half Moon Bay), que por ter ondas mais fortes, é bem procurada por surfistas.

 

 

Praia vazia devido à época do ano (final do outono, começo de inverno! Águas ainda mais geladas!)
– Um pouco mais adiante, encontramos outro mirante no qual paramos para mais alguns fotinhos, em Bean Hollon State Park, Esta já é uma praia para piqueniques, ou observar alguns animais marinhos, como estrelas do mar, anêmonas e ouriços que ficam nas piscinas naturais formadas por ali. Mas não é uma praia boa para o banho. O mar é muito forte e gelado (Pacífico!), o que torna o banho muito perigoso e arriscado.
E bem perto dali, na verdade a gente nem esperava ver este ponto, porque não colocamos em nosso roteiro, encontramos o Pigeon Point Ligthouse, um farol aceso pela primeira vez, em 1872 (desde 2010 está fechado para reforma, então para saber se a reforma foi liberada no dia da sua visita, acesse aqui). Além da possibilidade de um tour na área do farol (quinta a segunda-feira, das 10h às 16h, existe também uma pequena praia e um Hostel instalado no próprio local do farol, para aqueles que desejarem pernoitar (Pigeon Point Hostel), já pensou em se hospedar em um Hostel assim? Pois é! Ele é bem concorrido, então garanta sua estadia com antecedência.
O Farol e o Hostel (casinhas).
E a Highway 1 continua sempre às margens do Oceano Pacífico. Em apenas alguns poucos pontos, ela se distancia do mar, voltando a se encontrar logo a frente.

– Nossa próxima parada foi em Monterey, apesar de que vale muito a pena uma parada em Santa Cruz, que é um pouco antes. Mas como acabamos curtindo mais do que deveríamos dessa primeira parte, tivemos que acelerar ainda mais para pegar os outros pontos.

Monterey, além de ser uma cidade muito agradável, tem um dos Aquários mais visitados dos Estados Unidos, o Monterey Bay Aquarium (886, Cannery Row). Se você comprar o City Pass São Francisco, você terá direito a entrada.
Foto Divulgação do Aquário

 

Foto Divulgação do Aquário
O Aquário é famoso pela diversidade dos animais, como estrelas-do-mar gigantes, atuns de até 350 quilos, tubarões martelos, águas vivas fluorescentes, e ainda poderá ver os instrutores alimentando os carismáticos pinguins. É uma diversão garantida para crianças e adultos!
Ainda em Monterey, para quem é fã do Bubba Gump, na cidade também tem uma franquia da rede.

 

 

Lovers Point Park
– Saindo de Monterey não coloque o GPS para Carmel by the Sea. Passe antes na 17 Miles Drive, que é uma estrada belíssima dentro de uma pequena cidade chamada Pacific Grove. Você vai pagar um pedágio de uns 10 dólares (nós pagamos em novembro/13, o valor de 9.75$) e sua entrada será permitida.
A estrada tem exatamente a extensão do nome: 17 miles, ou 27 km! E é uma estrada que passa por lugares belíssimos, além de mansões, mirantes, campo de golf! Realmente é um estrada cênica! E vale muito a pena incluí-la no roteiro.
Bird Point: nem foto consegue demonstrar o que é este lugar! Os pontinhos tanto na água quanto nas pedras são aves.

 

 

Muitas árvores Cypress, típicas da região.

 

A árvore cercada, Lone Cypress, é uma das mais famosas e fotogênicas da região.
Nós tivemos muita sorte em não pegar um típico nevoeiro que se põe na região (em inglês, chama-se Fog). Apesar de o tempo estar mais frio, estava bem limpa a região e não estávamos no ver. Isso porque a 17 Mile Drive fica em uma Península (Monterey Peninsula).
Só em 17 Mile Drive a gente ficou bastante tempo, por mais de uma hora! Daí percebe-se que não dá para fazer este trajeto em um único dia.
– As pessoas costumam pernoitar em Carmel By The Sea, ou pelo menos almoçar… mas a gente errou feio em não dividir este trajeto em três partes, e ficou super corrido quando chegamos neste momento da viagem. Mesmo apaixonados com o que tínhamos visto até ali, tínhamos consciência que o melhor ainda estava por vir, que era a Região de Big Sur.
Então, infelizmente, em Carmel a gente praticamente passou e fomos direto para o começo de Big Sur.
–  Logo depois de Carmel, você passará pelo “Point Lobos State Reserve“, que é um lugar ideal para fugir do estresse do mundo para a tranquilidade e serenidade da natureza. Vejam fotos neste link.
– Se tiver oportunidade, almoce no restaurante chamado Rocky Point Restaurant. Era nossa pretensão, mas infelizmente não foi possível cumprir esta parte do roteiro, porque queríamos pegar a Pfeiffer Beach (onde tem a pedra furada) e a famosa cachoeira (McWay Falls) que deságua no mar  e está localizada no Julia Pfeiffer Burns State Park antes do pôr do sol (os dois locais fecham 30 minutos depois do pôr do sol).
Neste trajeto você verá muitos mirantes maravilhosos da região de Big Sur. E por falar em Big Sur, quando confeccionávamos nosso roteiro, vimos alguém dizer que Big Sur é mais que uma região física, é um estado de espírito. E parece ser isso mesmo! Indescritível!
– Em meio a muitos mirantes, na foto acima dá para ver como são os Mirantes (veja no lado inferior direito da foto, é uma entrada de terra onde pode estacionar para tirar fotos e admirar o local), seguimos para o primeiro ponto de parada na Big Sur, a Bixby Creek Bridge.
A Bixby Creek Bridge, ou apenas Bixby Bridge, foi inaugurada em 1932, tem 7 metros de largura, 85 de altura, e 98 de extensão. E realmente sua construção impressiona! Já de longe é possível avistá-la e parar para algumas fotos. Tente fotografá-la dos dois lados, tanto do lado direito, como do lado esquerdo.

 

 

E do outro lado:

 

– Depois de Bixby Bridge, nossa concentração foi para chegar a tempo de pelo menos assistir ao pôr do sol em Pfeiffer Beach. Até que daria para a gente ver a cachoeira que deságua no mar, se não fosse o pôr do sol às por volta das 16h, e o parque segue este horário (abre meia hora antes do nascer do sol, e fecha meia hora depois).

 

Esta parte da estrada tem que ficar bem atento, porque a entrada é um pouco escondida, além de ser em uma estrada bem à diagonal. Logo depois que passar pela Big Sur Station, você verá a placa abaixo, e deverá entrar à direita, seguindo por uma estrada chamada Sycamore Canyon Rd, até o estacionamento do Parque.

 

Você chegará em um ponto, que um empregado do parque cobrará pelo estacionamento, em torno de 5 dólares por carro. E então, é só seguir um pouquinho a pé, e chega-se a este ponto da foto abaixo:

 

 

A pedra acima é famosa durante o pôr do sol, que entra um feixe de luz por esta porta, dando um efeito maravilhoso da paisagem.

 

 

 

 

E como falamos desde o começo deste post, nossa viagem pela Highway 1, acabou com o pôr do sol! Infelizmente, depois da Pfeiffer Beach, não foi possível ver mais nenhuma paisagem, porque logo ficou escuro, e com a estrada cheia de curvas, o nosso único desejo era chegar em Los Angeles.

– Não deixe de passar na Julia Pfeiffer Burns State Park, que tem a Cachoeira McWay, conhecida por desaguar no mar. Não é possível mergulhar nela, mas a visão, por si só, já é o ponto alto da visita.

Foto do Wikipedia

E vocês? Tem alguma informação útil para compartilhar conosco sobre a Highway 1? Coloque nos comentários abaixo sua experiência, enriquecendo assim o nosso post e contribuindo nas dicas para outros viajantes!

Não se esqueça de incluir no seu roteiro as cidades de São Luis Obispo e Solvang. Infelizmente não conseguimos visitá-las! Boa oportunidade para voltar! 🙂

 

Fabiane Teixeira

Brasileira, Mineira de Belo Horizonte, 35 anos, conhece 38 países, é Advogada e Professora de Direito Civil, e nas horas vagas Viajante e Blogueira. Junto com meu Fábio vamos conhecer e te apresentar o mundo!

8 thoughts on “Conhecendo uma das estradas mais cênicas do mundo: a Highway 1, na California/EUA

  • 15 de abril de 2019 em 11:26
    Permalink

    Muito legal as dicas que deram sobre roadtrip. Estou planejando a nossa primeira pelo oeste EUA e CAN e seu blog tem ajudado muito!
    Com certeza irei incluir essa estrada no roteiro!
    Jefferson Emerick – Brasilia/DF

    Resposta
    • 18 de abril de 2019 em 13:44
      Permalink

      Oi, Jefferson!
      Que coisa boa que vai fazer esta viagem pelo oeste dos dois países.
      Você vai amar!
      Pena que já fomos a mais tempo e os posts não estão atualizados!
      Mas dá para dar uma ideia boa, né?

      Resposta
  • 16 de julho de 2016 em 11:57
    Permalink

    Amei estas dicas, Fabi! Estou muuuito tendenciosa a uma primeira road trip pelos Estados Unidos. Beijos

    Resposta
    • 17 de julho de 2016 em 18:37
      Permalink

      Seu elogio é sempre precioso, Carol!
      Obrigada!!!
      Bem, só posso dizer: ‘se joga!’
      A gente ama road trip nos EUA! E esta pela California é belíssima!
      Beijos,

      Resposta
  • 2 de julho de 2015 em 14:28
    Permalink

    Que viagem perfeita! Amei as informações! Vocês como sempre arrasam!
    Tem sugestão de hospedagens em SF e LA?
    Karine Lemos – Brasília

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »