Como visitar o Estádio Vicente Calderón (Madrid, Espanha)

Dia de compartilhar os detalhes de como visitar o Estádio de um dos clubes de futebol mais tradicionais da Espanha: O Estádio Vicente Calderón, “casa” do Atlético de Madrid, eterno rival do poderoso “Real Madrid“, que juntos realizam um dos “Derby” mais famosos do mundo.
Localizado no bairro de Arganzuela, às margens do Rio Manzanares,  o estádio foi inaugurado no dia 2 de outubro de 1966, e já foi palco de jogos e títulos memoráveis, como a conquista pelo Atlético de Madrid da “Copa Intercontinental” ou “Mundial de Clubes de 1975”, ao vencer o Independiente da Argentina por 2×0 (fora vice da Copa do Campeões do ano anterior e disputou o Mundial após desistência do Bayern de Munique), ou ainda três jogos da Copa do Mundo de 1982, além de diversos clássicos com Real Madrid, Barcelona e outros gigantes do futebol europeu e internacional.
O Estádio, que em 1971 adotou o nome de “Vicente Calderón“, em homenagem ao seu presidente à época, responsável direto pela construção do estádio, já teve a capacidade para 70.000 espectadores, hoje reduzida para 54.907, garantindo assim conforto e segurança aos torcedores, e desde 2003 possui a qualificação “5  estrelas da UEFA”
Estádio Vicente Calderón – Atletico de Madrid
Outras curiosidades sobre o Estádio e o clube:
  • Primeiro estádio europeu a ter todos os seus lugares cobertos por assentos;
  • O Atlético de Madrid foi fundado com o nome “Athletic Club de Madrid”, por estudantes bascos torcedores do Athletic Bilbao, sendo que a equipe da Capital somente deixaria de ser uma filial do clube basco em 1921;
  • O clube é o terceiro maior vencedor do Campeonato Espanhol, e possui também a terceira maior torcida de clubes da Espanha, com cerca de 6% da população (3 milhões de torcedores);
  • Em tempos de mídias sociais, os números do Atlético de Madrid são respeitáveis: 80.000 sócios, 12 milhões de seguidores no Facebook, quase 2 milhões no Twitter e mais de um milhão no Instagram e no Google.

Como chegar ao Estádio Vicente Calderón

Chegar no Vicente Calderón é muito fácil, principalmente pelo fato que estamos falando da cidade de Madrid, que possui um dos melhores sistemas de transporte público do mundo.

Nossa sugestão: inicie o deslocamento na Estação de metrô “Sol”, praticamente ao lado da “Plaza de la Puerta del Sol”, um dos principais pontos turísticos de Madrid. A partir dali são 10 paradas até a estação “Puente de San Isidro” e cerca de 5 minutos de caminhada até o Estádio. 
O “Vicente Calderón” está localizado praticamente no meio de uma área residencial, e por incrível que pareça, bem diferente da maioria dos Estádios brasileiros, não possui aqueles estacionamentos monstruosos, com certeza fruto da excepcional qualidade do transporte público de Madrid, onde você consegue tranquilamente deslocar-se para qualquer lugar da cidade utilizando apenas o sistema de Metrô.
Aproveitamos a rápida caminhada até o Estádio para visitar e fotografar um famoso ponto turístico da região: “Puerta de Toledo”, uma estrutura de 19 metros de altura composta por três arcos, cuja construção teve início em 1812 por nada menos que Napoleão Bonaparte, interrompida após sua queda e reiniciada durante o governo de Fernando VII, e finalmente concluída em 1827. Em 1995, a estrutura atual sofreu uma grande revitalização.
Puerta del Toledo, Madrid
Após proveitosa caminhada pelo bairro de “Arganzuela”, onde é possível apreciar as margens do Rio Manzanares, iniciamos nossa visita pela loja do clube, muito bem estruturada e muito parecida com a nossa “Loja do Galo” em Belo Horizonte.
Camisas do clube pela bagatela de 85 Euros, adesivos, bótons, faixas e até material escolar contendo o escudo do Atlético de Madrid encontravam-se disponíveis para todos os tipos e bolsos de torcedores. Como lembrança, comprei um adesivo para minha coleção ( 4 euros). Para mais informações sobre a loja do clube, clique AQUI.
Estádio Vicente Calderón, Madrid
Ao lado da loja encontra-se um bar temático nas cores do clube, o novo ‘1903 Sport Bar & Lounge Restaurant’, nos moldes dos bons e velhos bares temáticos das grandes capitais do mundo, possuindo telões para os dias de jogos e cardápio variado, ótimo para aquela “happy hour” e para acompanhar os jogos fora da cidade. Para conhecer mais sobre o bar, clique AQUI.
Posteriormente visitamos o museu do clube (10 euros), muito inferior ao dos rivais Barcelona e Real Madrid, mas repleto de camisas antigas, inúmeros troféus, como o da “Liga Europa 2009/2010” e a “Supercopa Européia de 2010”, jornais antigos destacando grandes vitórias, chuteiras de jogadores ilustres, fotos dos grandes esquadrões, bem como documentos históricos do “Atleti”, como é chamado na Europa.  Separe pelo menos duas horas para uma sensacional imersão na história do clube.
Museu do Atlético de Madrid, no Estádio Vicente Calderón

Como fanático futebolista, não poderia deixar de compartilhar algumas curiosidades disponíveis no museu:

  • O rival Real Madrid é associado a uma torcida mais elitista, enquanto o Atlético é considerado um time de torcida mais popular;
  • No período de 1939 a 1975 o clube conquistou 07 dos 10 títulos espanhóis que possui, sendo o último na temporada 2013/2014;
  • Em 1975 o clube contratou 02 brasileiros presentes na Copa do Mundo de 1974, ambos vindos do então Campeão Brasileiro Palmeiras: Leivinha e Luiz Pereira. Em sua primeira temporada, Leivinha termina como vice-artilheiro da Liga, com 18 gols. Outro brasileiro a chegar após uma Copa é Dirceu em 1979. Dirceu fica apenas três anos, mas sai do clube como um dos mais adorados da torcida. Presente na Copa de 1982, ele é o primeiro jogador do futebol estrangeiro convocado para a Seleção Brasileira para uma Copa, ao lado de Falcão (à época do mundial, na Roma/ITA).
  • Em toda a década de 1980, uma as piores do Atlético de Madrid, o time só consegue a Copa do Rei de 1985 e a Supercopa da Espanha na abertura da temporada seguinte.
  • Uma péssima temporada em 1999/2000. Nem a contratação de Gamarra, festejado zagueiro paraguaio  da Copa de 1998 ajuda a defesa rojiblanca, que termina a temporada com saldo negativo de 16 gols e em penúltimo lugar, vergonhosamente rebaixada pela primeira vez em mais de 60 anos.
Para mais informações sobre o Museu do Clube, bem como horários, preços e visitas guiadas, clique AQUI.
Museu do Atlético de Madrid, no Estádio Vicente Calderón

Infelizmente não tivemos a oportunidade de fazer o “tour” com guia para visitar as dependências do estádio, pois chegamos após o último horário previsto para o dia.

E outra: no período em que estivemos na cidade, tratava-se de “data FIFA”, ou seja, sem jogos do Atlético de Madrid.
O ingresso para o “tour” com guia custa 16 Euros, e maiores informações sobre horários, visitas em grupos e descontos, você pode conferir AQUI.
Caso esteja em Madrid e queira assistir a um jogo no Estádio, clique AQUI para a compra de ingressos.
“Aupa Atleti!!”

Para saber sobre Amsterdam Arena, veja AQUI.

Para saber sobre o Estádio Rose Bowl, Pasadena, Los Angeles, veja AQUI.

Para saber sobre o Estádio Bayern de Munique, veja AQUI.

Para saber sobre o Estádio do Wembley, veja AQUI.

Fábio Almeida

Major, 43 anos, conhece 38 países, viajante inveterado, cinéfilo, apreciador de vinhos e cervejas especiais, fotógrafo amador, viciado em natação, corrida e quadrinhos! Força na Luta! Sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »