Bate-volta a partir da Cidade do Cabo (Chapman’s Bay, Boulders Beach e Cabo da Boa Esperança)

Dos passeios imperdíveis para quem está na Cidade do Cabo, um deles é fazer um bate-volta até a Boulders Beach e o Cabo da Boa Esperança, passando pela cênica Chapman’s Bay, uma estrada linda com vistas incríveis para a região. Então, se está com viagem marcada para a África do Sul, não deixe de reservar um dia para fazer este passeio.

Como ir?

Aluguel de carro: nós optamos por fazer o trajeto de carro, já que alugamos um veículo desde o momento em que chegamos no aeroporto. A estrada é excelente, mas apesar de ser bem identificada com placas, é necessário um GPS, ou pelo menos o aplicativo Waze.

Motorista: Para serviço de transfer/motorista/guia na Cidade do Cabo e regiões, indicamos o Adriano D’Arienzo: e-mail [email protected] e Whatsapp +27722585323.

City Sightseeing Cape Town: para quem não alugou carro nem contratou o serviço de um motorista/transfer, uma excelente opção é através do “red bus”. Ele sai aproximadamente das 9h de Cape Town (veja todos os horários dos pontos de embarque AQUI), e retorna no final do dia, por volta das 17:30h. A única diferença é que ele não passa pela Chapman’s Peak Drive, somente na Boulders Beach, no Cabo da Boa Esperança e no Cape Point. O valor do passe (atualizado em maio/17) é de 530Rands por pessoa, adulto, e 275Rands para criança. Para adquirir o passe com antecedência, veja AQUI.

  • Chapman’s Peak Drive (42 Rands de pedágio):

É um estrada de apenas 9 km, à beira mar, que garante aquelas vistas incríveis de cair o queixo. Passamos pela estrada durante a ida, e nosso objetivo era de passar pela mesma estrada na volta. Mas como acabamos ficando mais tempo em Simon’s Town, chegamos de noite próximo à Chapman’s Peak Drive, então decidimos ir direto e não passar por ela novamente. Mas se você voltar na parte tarde, especialmente próximo ao pôr-do-sol, vale muito a pena passar pela estrada novamente! Dizem que é o pôr-do-sol mais belo para assistir próximo a Cape Town.

Logo que você entrar na estrada, terá que pagar uma espécie de pedágio (42Rands), que vale somente para a ida.

Ao longo da estrada existem alguns mirantes que você pode estacionar o carro e admirar a vista. Um dos pontos que mais gostamos da estrada foi no mirante para admirar a Noordhoek Beach, uma praia linda que ficamos loucos para ter um tempinho extra para passar lá.

Vista para a Noordhoek Beach da Chapman’s Peak Drive, África do Sul

É um cenário belíssimo! Vale a pena incluir no roteiro! Então quando sair da Cidade do Cabo, você deve colocar no GPS ou Waze, por que a entrada para a estrada é diferente do caminho para o Cabo da Boa Esperança.

  • Boulders Beach (Ticket: 70 Rands para adulto, 35 Rands para criança):

A Boulders Beach foi algo que marcou muito a imagem que tínhamos da África do Sul, pois sempre víamos fotos de uma praia cheia de Pinguins, e que era localizada próximo à Cidade do Cabo. E a gente achava isso tão exótico! Como assim uma praia (presume-se calor!) cheia de pinguins que teoricamente são animais que gostam de frio??? Pois é… sabe aquele tipo de coisa que você só acredita vendo? Era sim com a Boulders Beach.

O pinguim-africano é uma espécie que infelizmente encontra-se ameaçada de extinção. São vários os fatores que contribuem para isso: pesca comercial predatória, que diminui a quantidade de peixes que os pinguins se alimentam, coleta ilegal de ovos, predadores naturais, e acidentes marítimos (derramamento de óleo no mar, etc). Neste contexto, estima-se que a população dos pinguins africanos diminuiu cerca de 98%.

Mas como estes pinguins chegaram até a costa da África do Sul? Em meados do ano 1983, chegou o primeiro casal de pinguins no local, depois mais um casal, sendo que pouco tempo depois tiveram filhotes, e assim foram chegando outros pinguins através de migração, até estabeleceram a colônia. Em dez anos, já tinham migrado cerca de 2.000 pinguins para o local, sendo que em 2011, contaram cerca de 2.300 pinguins.

O lugar é de fácil acesso para cadeirantes, como se vê das passarelas abaixo:

Chegando próximo à Boulders Beach, você pode deixar seu carro no estacionamento que é pago de maneira colaborativa (você paga o tanto que achar merecido). Com o senhor que tomava conta dos carros no dia era muito simpático, para terem ideia, deixamos 20 Rands (que é o dobro do valor dos estacionamentos próximo ao Waterfront, na Cidade do Cabo). De lá, você segue a pé até o ponto de acesso aos pinguins.

Existe uma primeira entrada à esquerda, logo depois da placa indicativa da praia, que possui uma passarela de madeira, chegando a um ponto cheio de pinguins! Nós passamos neste ponto no retorno, quando já tínhamos visitado o local específico para banho no mar. Mas é importante dizer que neste primeiro ponto de acesso, você só vê os pinguins de um deck, não pode chegar perto deles, e inclusive, eles pedem para não tirar selfie com estes animais fofos! 🙁 Claro, para evitar acidentes e não estressar os animais! Lembrem-se que eles estão em seu habitat, são animais não domesticados, e alguns deles até bicam se você chegar muito perto.

Vista para Boulders Beach, na África do Sul

Na Boulders Beach, onde você pode nadar na praia, ficam poucos pinguins. E é exatamente nesta parte que você chega mais próximo dos animais. Mas lá, não tem nenhuma estrutura. O ideal é levar algum lanche e suas bebidas (na África do Sul, não é permitido o consumo de álcool em lugares públicos, e em praias eles ficam ainda mais atentos! Encontramos a Lei de Proibição de álcool em lugares públicos na Cidade do Cabo, veja AQUI, no item 2.3.H, e veja mais AQUI. Mas não encontramos a Lei de Proibição no País). Próximo a esta parte da Boulders Beach tem o Boulders Beach Lodge and Restaurant, veja o menu AQUI. Nós não almoçamos lá, então não temos como avaliar se é bom ou não. Mas caso a fome aperte, saiba que existe este restaurante lá perto.

Pinguim da Boulders Beach

Ah! Um detalhe: a água das praias na África do Sul é gelada! E em Boulders Beach, a praia dos pinguins, não poderia ser diferente: gelada! Só conseguimos molhar os nossos pés! 🙂

Depois que curtimos um pouco esta praia, voltamos pelo mesmo caminho, mostramos nosso bilhete adquirido no ponto anterior, e entramos novamente no local dos pinguins. Neste ponto, existem muitos pinguins, mas você fica em um deck de onde é possível admirá-los:

Boulders Beach, África do Sul

Na saída da Boulders Beach, tem uma feirinha com produtos artesanais. No dia, não vimos alguma barraca que aceitava cartão de crédito, ou seja, o pagamento é feito em dinheiro. Mas tem muita coisa fofa, e percebi que eles gostam de negociar! Eles dão um preço para o produto, mas se você fala que não vai ficar, eles perguntam quanto você pode dar $.

  • Cabo da Boa Esperança e Cape Point (Ticket: 135 Rands para adulto, 70 Rands para criança)

Depois que saímos da Boulders Beach seguimos para o Cabo da Boa Esperança. E obrigatoriamente, passamos pela cidade de Simon’s Town, que acabamos parando na volta. Quem tiver mais tempo, vale a pena conhecer a cidade que é muito bonita, tem vários restaurantes, cafés e uma vista muito bonita do Pier, próximo da Marina.

O Cabo da Boa Esperança foi muito importante durante o processo de expansão marítima dos europeus, já que os Portugueses começaram a buscar novas rotas para comercializar produtos, e sua intenção era a de contornar todo o litoral africano. Entretanto, eles descobriram que o continente africano era muito maior do que se imaginava, aumentando assim o desejo por, quem sabe, contorná-lo e descobrir o que tinha ao que parecia o fim de uma rota.

Por volta do século XV, sem nenhuma tecnologia marítima, imaginem como era difícil entender e saber o que tinha do outro lado daquele ponta da África? Naquela época, mais precisamente até o ano 1519, acreditava-se que a terra era quadrada. Chegar lá e contornar aquele ponto, era uma navegação extremamente perigosa, quase um suicídio! E foi em 1488, que o português Bartolomeu Dias chegou na região com sua tripulação enfrentando inúmeras e sérias tempestades. E foi por este motivo, que o lugar foi batizado naquele momento por “Cabo das Tormentas”. E apesar das dificuldades, foi o primeiro navegador a dobrar aquele Ponto.

Mas quando Bartolomeu voltou a Portugal e contou de sua descoberta ao Rei, ele não aceitou o nome “Cabo das Tormentas”, e sim “Cabo da Boa Esperança” pelo fato de que era a tão esperada rota de caminho às Índias.

E diferente do que ficou conhecido, o Cabo da Boa Esperança não é o ponto mais extremo do continente Africano, nem tampouco o encontro dos oceanos Atlântico e Índico, e sim o Cabo das Agulhas, que infelizmente não conseguimos conhecer nesta viagem.

A entrada no Cabo da Boa Esperança e Cape Point não é gratuita. Logo que você chega na entrada, tem que pagar uma taxa de 70 Rands para criança e 135 Rands para adulto. Então é só seguir a estrada e observar as placas. Nosso primeiro ponto de parada foi no Cabo da Boa Esperança, que fica à direita da estrada. É um ponto muito procurado, fica sempre cheio de turistas, todos esperando para tirar uma foto na famosa placa do Cabo da Boa Esperança. Abaixo, uma foto do ponto para vocês terem uma ideia:

Estacionamento no Cabo da Boa Esperança, a placa e a fila para tirar fotos!

Mas a trilha para chegar até o alto da falésia não é tão fácil. O local é cheio de pedras, cascalhos e o piso desnivelado. Vá com calçado confortável!

Estacionamos nosso carro, entramos na fila para tirar foto na placa (gratuito e ninguém cobra gorjetas, etc., o turista de trás tira a foto do turista da frente), e depois fizemos uma trilha para subir em um ponto mais alto, e de lá ver um pouco do que Bartolomeu avistou ao cruzar o Cabo da Boa Esperança.

Um raro momento da Placa do Cabo da Boa Esperança sem nenhum turista para tirar fotos!

No mapa abaixo, dá para ver a localização do Cabo da Boa Esperança, do restaurante Two Oceans e o Cape Point (ou Ponto do Cabo):

Na foto abaixo, dá para ver a entrada para o Cape Point (não precisa pagar mais, é o mesmo ticket de entrada). Então, você estaciona seu veículo (gratuito), e é só seguir até a trilha que leva ao Cape Point, ou subir pelo Funicular Flying Dutchman (pago à parte), que em três minutos chega-se até a base do farol.

Cape Point faz parte do Table Mountain National Park, e foi declarado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Entrada do Cape Point, na África do Sul

Depois que estacionar o veículo, confira se o mesmo ficou fechado adequadamente, e tente não ficar muito tempo próximo ao carro. Por ali, vimos muitos babuínos que tem a fama de ser violentos em busca de comida. Vimos também alguns seguranças do local que fica tocando os babuínos. Mas eles são muito espertos e ficam atentos aos carros ou qualquer movimento dos turistas, tudo em busca de comida!

Optamos por subir de teleférico até o Farol, pois o sol estava escaldante, o que não seria agradável uma caminhada naquele momento. O ticket do funicular do Cape Point custa 65 Rands ida e volta para adulto. Veja mais informações AQUI.

Você pode baixar gratuitamente o audio tour de Cape Point em seu celular. Veja AQUI.

Depois da descoberta por Bartolomeu Dias do famoso e esperançoso “Cabo das Tormentas”, ele ficou conhecido por ser um lugar de fortes tempestades, nevoeiro e por possuir muitas rochas perigosas vindas das falésias, o que acabou causando muitos naufrágios na região. Entretanto, somente em 1859, a construção do Farol foi finalizada, a 238 metros do nível do mar, pois era o ponto mais alto do lugar, e atualmente é utilizado como monitoramento dos faróis da Costa da África do Sul.

O Point Cape está localizado na Reserva do Cabo da Boa Esperança, dentro do Parque Nacional da Montanha da Mesa, e depois da subida no Funicular, são mais 125 degraus até o topo, ou seja, no Farol, de onde você tem uma belíssima vista do Cabo da Boa Esperança e de toda a região.

Tem uma trilha que vai até a praia “Dias Beach”, mas infelizmente o tempo já estava curto para fazê-la.

Vista de Cape Point, na África do Sul
O penhasco em Cape Point

Ainda em Cape Point, você pode ter um almoço no restaurante Two Oceans que possui belíssima vista, e ainda tem uma lanchonete com lanches rápidos (pizzas, sanduíches, etc.). Como o horário da cozinha é até as 16:30h, com último pedido às 16:15h, infelizmente não tivemos como conhecer o restaurante. Mas ficamos bem satisfeitos com a pizza que degustamos da lanchonete! Ahhh… lembre-se dos babuínos! Eles ficam eufóricos perto do restaurante em busca de comida! (Mas não é algo assustador não, é só seguir as normas de segurança: não alimentá-los, evitar ficar com comida à vista, e se avistar um babuíno, tente se afastar).

Obs.: o Cape Point é um lugar que venta bastante! Então, vá preparado!

Veja mais detalhes e informações sobre o Cape Point, AQUI.

Na hora do retorno para Cape Town, paramos na Simon’s Town, que é uma cidade pequenina e portuária, super fofinha! Na verdade, não era nossa intenção parar lá, porque estávamos bem cansados. Mas acabamos parando obrigatoriamente, pelo fato de que o trânsito estava intenso! Então, optamos esperar o trânsito passar para continuarmos a viagem.

Simon’s Town, na África do Sul

Para ver mais detalhes e informações sobre Simon’s Town, acesse AQUI.

Nossa viagem à África do Sul contou com o apoio do Cape Town Tourism e do Turismo da África do Sul.

Veja os outros posts sobre a África do Sul:

Fabiane Teixeira

Brasileira, Mineira de Belo Horizonte, 35 anos, conhece 38 países, é Advogada e Professora de Direito Civil, e nas horas vagas Viajante e Blogueira. Junto com meu Fábio vamos conhecer e te apresentar o mundo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »